Incidência

Globalmente, o cancro da próstata é o segundo tumor mais comum nos homens, afetando sobretudo aqueles em idade mais avançada – mais de metade dos casos de cancro da próstata ocorre em homens com mais de 70 anos de idade. (1)

(1) ESMO. Portal da European Society for Medical Oncology [Internet]. Suiça: ESMO 2018 [citada a 15 de outubro de 2020]. Disponível em: https://www.esmo.org/content/download/6630/115205/1/EN-Prostate-Cancer-Guide-for-Patients.pdf

Sintomas

Geralmente, o cancro da próstata não apresenta sintomas numa fase inicial. Estes vão aparecendo à medida que o cancro progride, sendo frequentemente causados pela pressão que o tumor exerce sobre a uretra, o que leva normalmente a um aumento da frequência, dificuldade ou urgência em urinar. (1)

Os sintomas associados ao cancro da próstata incluem (1,2):

  • Problemas urinários;
  • Incapacidade de urinar ou dificuldade em iniciar ou parar o fluxo de urina;
  • Necessidade frequente de urinar, principalmente à noite;
  • Fluxo de urina fraco ou intermitente;
  • Dor ou ardor ao urinar;
  • Dificuldade em ter uma ereção;
  • Sangue na urina ou no sémen;
  • Dor frequente na zona inferior das costas, nas ancas ou na zona superior das coxas.

(1)  ESMO. Portal da European Society for Medical Oncology [Internet]. Suiça: ESMO 2018 [citada a 15 de outubro de 2020]. Disponível em: https://www.esmo.org/content/download/6630/115205/1/EN-Prostate-Cancer-Guide-for-Patients.pdf

(2) LPCC. Portal da Liga Portuguesa Contra o Cancro [Internet]. Portugal: LPCC [citada a 15 de outubro de 2020]. Disponível em: https://www.ligacontracancro.pt/cancro-da-prostata-sintomas/

Fatores de risco

As causas exatas do cancro da próstata não são conhecidas.(1) Contudo, existem alguns fatores de risco associados ao desenvolvimento deste tipo de tumor, sendo os mais comuns (2):

  • Idade avançada: a probabilidade de desenvolver cancro da próstata aumenta com o avançar da idade, sendo que a maioria dos casos ocorre em homens com mais de 65 anos;
  • Etnia: este tipo de cancro é mais comum nos homens de raça negra, do que de raça caucasiana, sendo menos frequente em homens asiáticos e índios americanos;
  • Alterações da próstata: existem determinadas alterações da próstata que aumentam o risco de desenvolver um tumor, nomeadamente, quando existem células anómalas, conhecidas por neoplasia intra-epitelial da próstata (PIN) de grau elevado;
  • Alimentação: existem alguns estudos que apontam para uma relação entre o aparecimento deste tumor e uma alimentação rica em gordura animal, ou em carne, o que sugere que uma alimentação rica em frutos e vegetais pode diminuir o risco de vir a desenvolver a doença.

A hereditariedade está também entre os principais fatores de risco de desenvolver cancro da próstata. O homem cujo irmão ou pai teve a doença tem uma maior probabilidade de vir a desenvolvê-la também. (2)

Adicionalmente, este é também um tumor associado às mutações BRCA, ou seja, o homem portador de mutação BRCA2 tem um risco superior, situado entre os 20% e os 25%, de vir a desenvolver cancro da próstata face à população em geral, cujo risco se situa nos 12%. Já os homens portadores de mutação BRCA1 têm a mesma probabilidade de desenvolver este tumor que a população em geral, ou seja, 12%. (3)

(1) ESMO. Portal da European Society for Medical Oncology [Internet]. Suiça: ESMO 2018 [citada a 15 de outubro de 2020]. Disponível em: https://www.esmo.org/content/download/6630/115205/1/EN-Prostate-Cancer-Guide-for-Patients.pdf

(2) LPCC. Portal da Liga Portuguesa Contra o Cancro [Internet]. Portugal: LPCC [citada a 15 de outubro de 2020]. Disponível em: https://www.ligacontracancro.pt/cancro-da-prostata-sinais-de-alerta/

(3) Guia “As mutações BRCA e o cancro”, News Engage, 2019 – Capítulo “Mutação BRCA – O que significa e quais as implicações” da autoria da Dra. Gabriela Sousa e da Dra. Susana Amaral

PT-7516  aprovado a 16/10/2020